Adicione seu blog

Se você é um contribuidor do KDE que fale português, Pode ter seu blog listado aqui em nosso planet. O Conteudo do blog deverá ser sobre KDE em Português e não deve conter ofensas. Se você tem um blog de vários assuntos, você deve criar uma tag KDE e adicioanar apenas o feed para a mesma no planet.

Para ter seu blog adicionado aqui, envie um e-mail para tcanabrava @ kde.org com os dados necessários e ele prontamente atenderá seu pedido.

Caso você possua conta no svn, pode adicionar o próprio feed:

  • svn checkout svn+ssh://svn@svn.kde.org/home/kde/trunk/www/sites/planet/planetkde-br
  • Coloque seu hackergotchi em website/hackergotchi/. O hackergotchi deve ser uma foto de seu rosto de 80x80 pixels com um background transparente. Lembre-se de svn add o arquivo.
  • no fim do arquivo planetkde-br/config adicione seus detalhes. (o nome entre parenteses é seu apelido de IRC):
  • feed 15m http://path.to/my/feed.rss define_name Konqi Konqueror (konqi) define_face hackergotchi/konqi.png define_facewidth 80 define_faceheight 80
  • svn commit

If you want to add a Twitter microblog to the Microblogging sidebar add define_microblog true and follow your name with [twitter]. Currently only Twitter is known to work, please contact Jonathan Riddell before adding non-Twitter microblogs to check it works.

Planet KDE Português Guidelines

Planet KDE Português is one of the public faces of the KDE project and is read by millions of users and potential contributors. The content aggregated at Planet KDE Português is the opinions of its authors, but the sum of that content gives an impression of the project. Please keep in mind the following guidelines for your blog content and read the KDE Code of Conduct. The KDE project reserves the right to remove an inappropriate blog from the Planet. If that happens multiple times, the Community Working Group can be asked to consider what needs to happen to get your blog aggregated again.

If you are unsure or have queries about what is appropriate contact the KDE Community Working Group.

Blogs should be KDE themed

The majority of content in your blog should be about KDE and your work on KDE. Blog posts about personal subjects are also encouraged since Planet KDE Português is a chance to learn more about the developers behind KDE PIM. However blog feeds should not be entirely personal, if in doubt set up a tag for Planet KDE Português and subscribe the feed from that tag so you can control what gets posted.

Posts should be constructive

Posts can be positive and promote KDE, they can be constructive and lay out issues which need to be addressed, but blog feeds should not contain useless, destructive and negative material. Constructive criticism is welcome and the occasional rant is understandable, but a feed where every post is critical and negative is unsuitable. This helps to keep KDE overall a happy project.

You must be a KDE contributor

Only have your blog on Planet KDE Português if you actively contribute to KDE, for example through code, user support, documentation etc.

It must be a personal blog

Planet KDE Português is a collection of blogs from KDE contributors. It is not indended for project news feeds.

Do not inflame

KDE covers a wide variety of people and cultures. Profanities, prejudice, lewd comments and content likely to offend are to be avoided. Do not make personal attacks or attacks against other projects on your blog.

For further guidance on good practice see the KDE Code of Conduct.

People Aggregated

FeedRSSLast fetchedNext fetched after
Arthur Ribeiro (arthurribeiro) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
KBlogue XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Antonio Ladeia (ladeia) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Fernando Boaglio (boaglio) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Frederico G. Guimarães (aracnus) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
KDE Brasil XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Live Blue XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Lucas Lira Gomes (MaskMaster) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Francisco Fernandes (chicao) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Aracele Torres (araceletorres) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Filipe Saraiva (filipesaraiva) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Camila Ayres (camilasan) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Wagner Reck (wiglot) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Fernando Teles (fernandoteles) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Sandro Andrade (sandroandrade) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March
Tomaz Canabrava (Tumaix) XML 02:07, Saturday, 18 March 02:37, Saturday, 18 March

Microblogging from KDE

May 18, 2015

Filipe Saraiva (filipesaraiva)

Software Livre no Pint of Science Brasil 2015

Pint of Science é um festival internacional em rede que reúne cientistas em mesas de bares para conversar e compartilhar sobre ciência, a repercussão que sua área de pesquisa tem para a sociedade, e muito mais. É divulgação científica + boteco!

O Brasil está participando pela primeira vez do evento, e a cidade de São Carlos terá 3 dias com mesas de bate-papo sobre temas variados em dois restaurantes da cidade.

Para quem estiver na cidade hoje (18/05), a partir das 20h o Espaço Sete terá uma conversa sobre software livre e a liberdade de conhecimento na academia. Estarei lá junto com um grupo de amigos participantes de diversas comunidades de software livre para falarmos sobre o assunto, e claro, beber cerveja.

Vejo vocês lá!

18:32, Monday, 18 May UTC

May 06, 2015

Sandro Andrade (sandroandrade)

KDE Brasil – quem somos, o que fazemos e por quê ?

Pode parecer um tanto quanto sem sentido – para nossos amigos e familiares – porque nos envolvemos de forma tão intensa em uma atividade voluntária de colaboração em projetos de software livre. Os motivos são diversos e satisfatoriamente investigados em alguns projetos de pesquisa [1, 2]. Como qualquer trabalho voluntário, contribuir com software livre nos expõe a experiências, sensações e recompensas que nos tornam mais maduros, mais humanos e mais conscientes do nosso papel na sociedade e na formação do mundo para as próximas gerações.

Pelo menos para nós, profissionais da área de Computação, a primeira motivação – geralmente mais rústica e imediatista – é uma só: acesso a tecnologia moderna e de qualidade. Com o tempo, passamos a experimentar, entender e divulgar outros aspectos: compartilhamento livre do conhecimento, valorização de pessoas acima da tecnologia, sensação de pertencimento, amadurecimento pessoal e profissional, vivência de outras culturas, etc.

Por outro lado, pode ser difícil explicar porque – dentre tantos projetos excelentes de software livre sendo conduzidos no mundo – um ou outro consegue “fisgar” o seu coração. Meu primeiro contato com o KDE foi nos idos de 1999-2000, ainda na versão 2, provavelmente com a distribuição Linux Conectiva, se não me falha a memória. Mais ou menos na mesma época, descobri o Qt e finalmente pude fazer aplicações gráficas “lindas de morrer” sem abrir mão da minha linguagem de programação preferida: o C++.

Mas foi somente a partir de 2008 que eu e Tomaz Canabrava estreitamos os laços com a pequena comunidade brasileira do KDE à epoca e, mais tarde, com a comunidade internacional. Mas isso é outra história, daria um livro inteiro talvez :). Neste pequeno texto, gostaria de focar nos motivos pelos quais nos tornamos apaixonados pelo KDE. Citarei alguns, mas gostaria de começar logo pelo mais importante de todos.

Pessoas !!! Sim, isso mesmo, pessoas. Que estranho primeiro motivo, principalmente para nós hackers – conhecidos geralmente por um alto potencial técnico e baixas habilidades sociais :). Comunidades de software livre já consolidadas, como o KDE e outras muitas, reconhecem que sem elas nada mais existiria nem faria sentido. E fazemos muita coisa para garantir um ambiente próspero e respeitoso, mas também com abertura para discussão de opiniões divergentes e reconhecimento da meritocracia obtida, por colaboradores, em anos de trabalho duro. Código de conduta, community working groups, discussões sempre públicas, o KDE Manifesto, são alguns dos instrumentos utilizados para a manutenção da nossa boa “atmosfera”.

Um dos meus “mantras” em sala de aula: “os melhores profissionais da Computação estão em projetos de software livre”. Se você for um aspirante a chef de cozinha, é como se você tivesse à disposição todas as receitas dos maiores chefs do mundo. E mais, você poderia discutir diretamente com ele ou contribuir para a elaboração de novas receitas. Você poderia trocar idéias com chefs de todo o mundo: India, Japão, EUA, Inglaterra … Não seria maravilhoso ? �� No KDE, você encontra um grupo vibrante de pessoas, felizes em desenvolver software de qualidade, de forma aberta, acessível a qualquer pessoa, de todo o mundo. E todos podem participar, independente da área de formação. Muitos membros do KDE são profissionais da Computação, mas outros são médicos, administradores, historiadores, economistas, designers, filósofos, … . Nós encontramos nosso lugar, é o tal do “sense of belonging” :).

Segundo, seus limites técnicos e interpessoais serão continuamente ampliados. Qual sua referência profissional atualmente ? Quais suas metas e desejos ? Com software livre, nosso limite passar a ser O MUNDO. Assuma seu chapéu de “humilde aprendiz” e prepare-se para experimentar um salto técnico e interpessoal bastante considerável na sua carreira. Exponha-se, tenha seu trabalho revisado por gurus com décadas de experiência. Especialize-se e contribua para tornar aquele projeto ainda melhor. Mais pra frente, ajude os novatos e/ou seja contratado por uma excelente empresa ligada a software livre.

Terceiro, nós desenvolvemos soluções reais para problemas reais, presentes em todo o mundo, beneficiando milhões de usuários e contribuindo para a formação de milhares de jovens profissionais. Existe algo mais gratificante do que ver o fruto das suas contribuições tornando melhor a vida de pessoas em todo o mundo ? Nossas aplicações são utilizadas no ensino infantil em escolas públicas, em infocentros públicos de acesso à Internet, em projetos de instituições de pesquisa e em projetos de educação artística digital, só para citar alguns.

Gostou ? �� Se quiser ter uns hackers empolgados como amigos e ajudar nesse tão gratificante “trabalho”, junte-se a nós. No mínimo, você vai dar umas boas risadas :).

Aproveite a faça uma doação para a nossa campanha de arrecadação de fundos para o LaKademy 2015 – 3o. Encontro Latino-Americano dos Colaboradores do KDE. O LaKademy 2015 será realizado de 3 a 6 de junho, em Salvador-BA. O LaKademy é um dos momentos onde nos encontramos presencialmente para contribuir e discutir as ações que realizaremos para o KDE no Brasil e na América Latina.

[1] The Social Structure of Open Source Software Development Teams. Crowston & Howison. OASIS. 2003.

[2] Carrots and Rainbows: Motivation and Social Practice in Open Source Software Development. Krogh. 2012.


22:27, Wednesday, 06 May UTC

Fernando Boaglio (boaglio)

Krowdfunding para o LaKademy 2015

Você usa Linux com KDE ou talvez Kubuntu ?

kde590

Se sim, você é nosso feliz usuário e deve estar satisfeito com as constantes melhorias do ambiente desktop e tudo bonitinho em português, né ?

Pois é, não é pouco trabalho e nem muito trivial, mas com certa frequência o pessoal se encontra virtualmente e faz a coisa acontecer.

Mais com certeza com todos juntos numa mesma sala, a coisa rende mais… muuuito mais!

Infelizmente isso não sai de graça e precisamos de sua ajuda… contribua com o que puder, o projeto KDE agradece!

O LaKademy 2014 foi muito bom e rendeu bem, e precisamos de sua ajuda para que o de 2015 renda também!

PENSE O QUANTO VOCE DEIXOU DE GASTAR E AJUDE !!!!

Talvez você goste também de:

00:41, Wednesday, 06 May UTC

April 30, 2015

Aracele Torres (araceletorres)

Ajude uma comunidade de software livre, doe!

Se você sempre quis contribuir com alguma comunidade de software livre e nunca soube como, você pode começar colaborando financeiramente. Isso mesmo, as comunidades de software livre também precisam de dinheiro pra se sustentar, e não só do trabalho e da dedicação dos voluntários.

Esse ano, a comunidade de colaboradores do KDE na América Latina, da qual eu tenho orgulho de fazer parte :), está realizando uma campanha de arrecadação de fundos para que possamos realizar mais uma vez o nosso evento, o LaKademy.

Gostaríamos de pedir à todos vocês que colaborem e nos ajudem a reunir os colaboradores do KDE na América Latina, que trabalharão durante 4 dias para que os softwares que você usa fiquem ainda melhores ❤

Por favor, contribua! ��

Faça uma doação de qualquer valor: http://novo.vakinha.com.br/vaquinha/faca-acontecer-o-lakademy-2015

Nossa comunidade agradece!


00:08, Thursday, 30 April UTC

June 26, 2014

Antonio Ladeia (ladeia)

Tentando compilar o Amarok pela primeira vez (tentativa 2)

Depois de mudar a minha distro do Debian para a versão testing, tentei novamente compilar o amarok, agora com uma versão mais nova do KDE achei que melhoraria essa parte da compilação.

Segui basicamente os passos que o Filipe Saraiva me indicou:

  1. criar uma pasta ~/kde para instalarmos os softwares compilados (já tinha e estava vazia)
  2.   criar uma pasta build na raiz do repositório clonado do amarok (já tinha)
  3.   entrar na pasta build e rodar cmake .. -DCMAKE_INSTALL_PREFIX=~/kde
    cada vez que ele reclamar de alguma lib que estiver faltando, tem que instalá-la na versão de desenvolvimento (fiz isso para muitas libs mas algumas ele não reconheceu…)
  4. quando o cmake tiver saído com sucesso, rodar make e depois make install. O software compilado estará em ~/kde. baixei o repositório (nem cheguei nesse ponto)

A lib gmocks não funcionou, ele dizia que precisava da versão mínima 1.4, instalei a versão 1.7 e mesmo assim não funcionou…

Ainda não foi dessa vez que consegui compilar o amarok, vou tentar meu plano B, rodar uma VM com um SO  que encapsule o KDE melhor…

——————————————————————————————————————————————

Atualização 1:

O guru do QT/KDE, Sandro Andrade me deu uma ajudinha banaca, de acordo com o blog [1], podemos suprimir o uso da lib gmock através do parâmetro -DKDE4_BUILD_TESTS=OFF. Fiz as mudanças necessárias e o cmake funcionou beleza, já estou a rodar o make aqui no amarok!

Atualização 2:

O make deu erro ao gerar a lib amarok_collection-mysqlecollection.so, indo procurar este problema!

Neste mesmo link anterior[1], descobri que preciso instalar algumas libs do mysql, instalei-as mas agora apresenta outro erro:

/usr/bin/ld: cannot find -lwrap
/usr/bin/ld: cannot find -laio

Atualização 3:

Os erros anteriores foram solucionados com a instalação das libs libaio-dev e libwrap0-dev, após isso o make rodou 100%, partindo agora para o make install.

Atualização 4:

Make install rodou 100% também, a aplicação está localizada no diretório ~/kde/bin/amarok.

Enfim consegui compilar meu primeiro app KDE, e foi logo o app que mais uso e que gosto mais, em breve pegarei um junior job para ajudar a deixar ele melhor ��

Atualização 5:

Rodando o amarok no terminal através do comando “./amarok”, ele inicializa minimizado no painel ao lado do relógio, quando clico sobre ele, ele abre, mas ao executar alguma música ele fecha e mostra este erro no terminal:

./amarok: symbol lookup error: /usr/lib/kde4/amarok_data_engine_lyrics.so: undefined symbol: _ZN13ScriptManager17notifyFetchLyricsERK7QStringS2_

[1] – http://blogs.fsfe.org/myriam/2009/09/26/compiling-amarok-from-git-locally-full-summary/

11:00, Thursday, 26 June UTC

June 19, 2014

Antonio Ladeia (ladeia)

Mudando o Debian para a versão de testes

Quando decidi entrar de cabeça no mundo do software livre, eu tinha a noção que somente poderia me considerar parte do movimento, caso eu contribuísse de alguma forma para algum projeto. Eu queria sair da confortável posição de usuário/consumidor para contribuidor.

Depois de alguns anos, migrando lentamente para o fim do uso de software proprietário, eu sentia necessidade de começar a contribuir. Tentei começar com traduções para o Gnome, não deu certo, e fiquei chateado com isso, pensando que esse trabalho não era pra mim, eis que surgiu a oportunidade de contribuir com a Mozilla e acabei fazendo isso de inúmeras maneiras, suporte a usuário, tradução de artigos, e estou começando a resolver meus primeiros bugs de código.

Mas existe um outro projeto que eu queria realmente participar como contribuidor, por gostar bastante do projeto e por causa de um contribuidor dele, que me fez acreditar nas vantagens do software livre, esse cara não poderia ser outro além do meu professor Sandro Andrade.

No FISL tive a oportunidade de conhecer a comunidade do KDE de perto e descobri que o pessoal é sensacional, super atenciosos, e é um projeto que, pelo que pareceu, carece de contribuidores. Resolvi no FISL mesmo fazer uma contribuição de código, o que não ocorreu pois a minha máquina rodava a versão do Debian 7 estável, e muitos pacotes estavam conflitando, resolvi instalar uma VM com um outro SO que empacotasse um KDE mais novo, mas nada, meu software gerenciador de VMs estava bugado…

Há alguns dias atrás surgiu na lista de emaild do KDE Brasil, um rapaz falando que mudou a sua versão do Debian para a testing e poderia ajudar quem quisesse, e nessa versão o KDE empacotado era a versão 4.13.1 estava ali a minha oportunidade. Tentei entrar em contato com ele fora da lista umas duas vezes mas não obtive sucesso, então fui procurar isso por conta própria, e vi que era extremamente simples, vou resumir o passo-a-passo aqui embaixo.

Passo-a-Passo

A primeira coisa que deverá fazer é entrar no terminal e editar o conteúdo do arquivo sources.list.

# nano /etc/apt/sources.list

Onde houver a palavra “wheezy” você irá alterar para “testing”, como por exemplo

Antes

deb http://security.debian.org/ wheezy/updates main
deb-src http://security.debian.org/ wheezy/updates main
deb http://sft.if.usp.br/debian/ wheezy main contrib non-free
deb http://sft.if.usp.br/debian-security/ wheezy/updates main contrib non-freeeb 
http://sft.if.usp.br/debian/ wheezy-backports main contrib non-free

Depois

deb http://security.debian.org/ testing/updates main
deb-src http://security.debian.org/ testing/updates main
deb http://sft.if.usp.br/debian/ testing main contrib non-free
deb http://sft.if.usp.br/debian-security/ testing/updates main contrib non-freeeb 
#http://sft.if.usp.br/debian/ testing-backports main contrib non-free #esta linha não é mais necessária, só se usam backports em versões estáveis

Por fim basta apenas dar o comando:

# apt-get dist-upgrade

E esperar, aqui a atualização demorou bastante, mas quando reiniciei a máquina ao final e fui ver a nova versão do KDE, eis que aparece a recompensa:kde4-13KDE 4.13.1, agora o próximo passo é compilar o amarok!

Agradecimento especial aqui ao Felipe Saraiva [1]por ter me ajudado lá no FISL e por email com essa parte de como compilar um software KDE, sua boa vontade foi indispensável para continuar cara, e espere o próximo passo de como fazer a compilação!

[1] – http://blog.filipesaraiva.info/

11:14, Thursday, 19 June UTC

May 12, 2014

Aracele Torres (araceletorres)

Minha participação no FISL 15

Banner_Grupo_Face

Esse ano fui palestrante convidada da décima quinta edição do Fórum Internacional de Software Livre, o FISL. Eu não sabia ainda o que esperar do evento já que, por incrível que pareça, nunca tinha participado. Sou usuária de software livre desde 2007 e não sei porque cargas d’água eu nunca havia ido no FISL, mas enfim, o que importa é que esse ano eu consegui ir e vou contar para vocês algumas das minhas impressões.

Sempre ouvi falar que o FISL era um evento “mais político” que o Latinoware, que geralmente é classificado como “mais técnico”. Esse segundo eu já participo representando o KDE desde 2011 e posso falar com um pouco mais de conhecimento de causa. Mas realmente percebo essa diferença entre os dois. E isso tem muito a ver com o contexto histórico no qual se originou o FISL, a história desse evento se confunde com a história do desenvolvimento do movimento software livre aqui no Brasil. No entanto, isso não significa dizer que o FISL é superior ao Latinoware ou vice-versa, apenas que possuem perfis diferentes.

Na edição desse ano me parece que o evento estava afetado por uma polêmica que tomou conta da internet nos últimos dias, a de que o movimento software livre no Brasil tinha morrido. Na grade de programação havia uma mesa dedicada a discutir o tema. Fiz questão de assistir a ela, até porque sabia que o meu querido amigo Fred estaria lá na mesa disposto a se contrapor a essa ideia absurda de que deveríamos velar o defunto do nosso movimento.

Uma fala em particular me deixou bastante incomodada nessa palestra, era a de um dos membros da mesa que afirmava, sem muito pudor, que os ativistas de software livre que usam facebook, gmail, ubuntu, iphone e por aí vai, são todos “idiotas”. E aquilo foi como se ele dissesse que eu com meu trabalho de 7 anos para a causa do software livre, assim como tantos outros ativistas espalhados mundo afora, não fôssemos dignos de ser considerados ativistas legítimos porque usamos algumas dessas ferramentas.

Imaginei um novato que ainda usa windows/mac/etc chegando no evento super animado e interessado em saber como entrar na comunidade e se deparando com uma palestra em que a pessoa diz que ele não serve para o movimento software livre porque ele não é 100% livre. Já pensou? Bom, se a gente continuar a hostilizar todo mundo que usa tecnologias proprietárias e não souber como apresentar o software livre a essas pessoas de uma forma mais interessante, aí sim acho que o movimento vai morrer. Hostilizar as pessoas chamando-as de “idiota” é um tiro no pé. As pessoas tendem a querer se integrar a comunidades onde eles se sentem acolhidas e não hostilizadas.

Esse ativista, que se colocou numa posição melhor e superior a de todos nós, parece não ter consciência do processo de construção de toda militância política. Ele tem afirmado que “não mudou”, como se ele sempre tivesse sido esse “radical livre” que diz ser agora. Pois bem, eu não gosto de alimentar polêmicas mas vamos voltar a alguns anos atrás quando  essa mensagem foi enviada para a lista do PSL-Brasil:

Anahuac

Ok, agora vocês se quiserem saber um pouco melhor o que aconteceu nessa palestra, assistam o vídeo dela aqui. Poderão ver a minha resposta e a de muitas outras pessoas que não concordaram com essa ideia de que o movimento morreu e de que somos todos idiotas.

Vamos falar agora sobre as minhas palestras ��

Como havia dito, fui convidada para palestrar no evento e dei uma primeira palestra  (A tecnoutopia do software livre: uma história do projeto técnico e político do GNU) sobre a minha dissertação no espaço Paulo Freire, um espaço maravilhoso dedicado a discussões relacionadas a educação e tecnologia livre. Foi uma experiência muito boa palestrar lá, exatamente por poder falar diretamente com pessoas envolvidas com educação. Acredito que o tema do software livre não pode e não deve ser dissociado das discussões que perpassam educação, acesso e produção de conhecimento,  entre outros. Infelizmente no espaço Paulo Freire as palestras não são gravadas e para quem não pôde ir ao evento ou assistir as atividades do espaço, não vai ser possível saber o que rolou por lá ��

Disponibilizo aqui os slides da palestra que foi apresentada lá:

A segunda palestra foi sobre a história do Projeto GNU, aproveitei a ocasião do aniversário de 30 anos do Projeto e a finalização da minha pesquisa de mestrado sobre ele para apresentar os principais fatos que marcaram sua criação. Acho que muitas pessoas na comunidade ainda desconhecem a história desse movimento, portanto, penso que seja importante tal palestra para que a gente possa deixar claro, inclusive, contra o que estamos lutando e o que o GNU pretende. Aqui estão também os slides desta segunda palestra:

Quem quiser assistir ao vídeo da palestra completa basta clicar aqui.
Eu também estava no FISL representando a comunidade KDE, portanto, participei das atividades como colaboradora da comunidade aqui no Brasil. Fizemos um encontro comunitário, que foi gravado e pode ser assistido aqui. Nele falamos um pouco sobre o que esperar da nova versão do Plasma que será lançada em julho e tiramos algumas dúvidas sobre Qt.
Bom, o que eu posso dizer do evento é que foi muito produtivo para mim enquanto militante e pesquisadora do software livre, assim como para a comunidade KDE. A  nossa participação, mais uma vez, nesse que é um dos principais eventos de software livre da América Latina, só reafirma que a nossa comunidade está atuante e que sempre procura marcar presença com programação de alto nível para os seus usuários. Esperamos vocês em outubro no Latinoware, onde comemoraremos os 18 anos do KDE ��

23:19, Monday, 12 May UTC

March 31, 2014

Aracele Torres (araceletorres)

Minha dissertação sobre o Projeto GNU

Olá! Quem acompanha esse desatualizado blog sabe que eu estava trabalhando nos últimos tempos em uma pesquisa de mestrado sobre a história do Projeto GNU e da criação do software livre. A ideia era construir um trabalho que apresentasse o contexto histórico, sobretudo da indústria do software, no momento em que o projeto de Richard Stallman foi criado, mas também investigar como o movimento software livre representava nos dias de hoje uma utopia que mobilizava tanto a esquerda quanto a direita.

O resultado disso vocês podem conferir abaixo. Coloquei o resumo do trabalho pra que vocês se familiarizem um pouco melhor antes de fazer o download.

Resumo:

Ao longo dos períodos históricos a técnica tem desempenhado um papel importante na formulação de demandas sociais. Os indivíduos sempre depositaram nas tecnologias suas expectativas e desejos para a construção de uma realidade diferente. O mesmo tem acontecido hoje com as tecnologias digitais. Muitos grupos sociais atribuem a elas um papel de possibilitadoras de uma sociedade mais justa e mais democrática, onde o conhecimento seja algo irrestrito e pertença a todos. Neste trabalho pretendemos apresentar, a partir de uma perspectiva histórica, esse debate contemporâneo em torno das tecnologias digitais como tecnologias emancipadoras. Para tal, trabalharemos com o Projeto GNU, representante do movimento software livre, idealizado na década de 1980 por Richard Stallman, e que se insere nesse debate através da sua defesa, não só de uma informática livre, mas do conhecimento livre como um todo. Entendemos que esse projeto é um dos principais representantes da tendência atual de depositar nas tecnologias digitais a expectativa de uma sociedade melhor. Investigamos as características desse discurso do Projeto GNU e buscamos perceber de que forma ele foi se construindo ao longo do tempo, assim como também quais práticas sociais o acompanham e quais indivíduos são seus portadores. Identificamos neste discurso a presença de palavras-chave historicamente mobilizadoras e que permitem que ele seja incorporado tanto por grupos de esquerda quanto de direita. Além disso, ao se colocar como um projeto político e defender uma sociedade diferente da que temos hoje, o Projeto GNU, com sua causa do software livre, é representante de uma verdadeira utopia moderna.

Link para download da dissertação: A tecnoutopia do software livre: uma história do projeto técnico e político do GNU.


15:01, Monday, 31 March UTC

October 24, 2012

Aracele Torres (araceletorres)

Minha palestra no Latinoware 2012

Mais um ano participando do Latinoware e representando a comunidade KDE Brasil! No ano passado o KDE comemorou 15 anos de história e eu fiquei responsável por apresentar essa trajetória aos participantes do evento.

Dessa vez palestrei sobre como colaborar com o KDE sem escrever nenhuma linha de código. A ideia era mostrar às pessoas que você não precisa ser um programador para contribuir com o KDE ou com qualquer outro projeto de software livre. A palestra foi voltada para o público em geral e nela procurei apresentar a comunidade internacional responsável por 16 anos de projeto KDE e as diversas atividades que são necessárias para desenvolver um projeto como esse.

Foto: Jean Pavão/PTI

Quem não pôde ir ao Latinoware mas gostaria de ter acesso ao que foi apresentado nessa palestra, basta clicar aqui e baixar os slides em pdf da minha apresentação! ��

E se você está interessado em se envolver com o Projeto KDE e não sabe por onde começar, pergunte-me como! ��


15:29, Wednesday, 24 October UTC

August 15, 2012

Tomaz Canabrava (Tumaix)

Doe para o KDE-Edu sprint em Randa – 2012

Porque eu devo me importar com o KDE-Edu?
O KDE-Edu é utilizado por mais de 52 milhões de estudantes da rede publica, só no Brasil. De uma forma bem direta, caso os programas educacionais que oferecemos fossem pagos, não seria possivel essa abrangência. Mas não são apenas os programas que são gratuitos, como o trabalho feito para desenvolvê-los também. Nenhum programador é pago para fazer os programas, justamente por isso, nenhum tem dedicação exclusiva – temos outros empregos para sobreviver e criamos os programas educacionais por gosto, e porque é importante fazer algo que ajude o próximo, e neste caso, estamos ajudando 52 milhões de estudantes brasileiros.
 
Encontro Mundial de programadores do KDE-Edu
É natural trabalhar a distãncia quando o assunto é tecnologia, e programas educacionais não são excessão. Mas o trabalho em conjunto – a distância tem justamente o fator distância para atrapalhar, e passar uma semana trabalhando de forma conjunta, com reuniões presenciais, professores, educadores e especialistas em diversas áreas, juntos, faz muita diferença.
O Encontro do KDE-Edu é feito em Randa, uma simpatica cidadezinha suiça com cerca de 400 habitantes, organizado por Mario Fluxx em um grande casarão. Todos trabalham em uma área aberta, sem paredes, com conexão wifi, acordando cedo e dormindo tarde. É um trabalho realmente produtivo pois trabalha-se por gosto, e não por bolso.
Mas nem tudo é de graça
Como passagens de trem e avião. Temos programadores do KDE-Edu espalhados pelo mundo, e o encontro é na europa. No brasil temos dois programas concebidos por aqui (Rocs – Interface de Estudos e Desenvolvimento de Algoritimos de Estruturas de Dados ) criado por Tomaz Canabrava e o Spinet ( Programa de educação musical ) criado por Sandro Andrade. Além do Tomaz e do Sandro temos o Wagner Reck, ex-aluno do Google Summer of Code que se interessou em continuar contribuindo com o desenvolvimento do Rocs, e Filipe Saraiva, que ajuda no desenvolvimento do Cantor ( Interface de agregação para aplicativos Matemáticos como o Octave ), no Peru temos o Ronny Yabar Aizcorbe que criou um programa de ensino de Calculo utilizando as bibliotecas do KAlgebra.
Mas porquê não fazer o evento no Brasil, já que temos quatro pessoas daqui?
Custo. Temos quatro aqui no brasil, um no peru,  mas temos quinze na europa. Ficaria muito mais caro trazer todos pra cá que levar alguns pra lá.
Então, por tudo isso, e pelas 52 milhões de crianças e adolescentes brasileiras que usam nossos programas para crescer e aprender, pedimos ajuda para enviar nossos programadores para Randa, pois pelo quarto ano consecutivo a maratona de programação em Randa irá incluir projetos chave e desenvedores do KDE, todos colaborando mutuamente sob o mesmo teto, isolados do barulho e distrações da vida cotidiana de cidades grandes. Todos os encontros anteriores em Randa foram concentrados e produtivos, gerando resultados excepcionais; organizadores e participantes esperam o mesmo e mais do encontro deste ano, todos os encontros produziram significantes melhorias para os usuarios e desenvolvedores do KDE.
Se você não está indo ainda assim pode ajudar a reunião fazendo uma doação, como no passado a reunião em Randa irá beneficiar todos os que usam softwares do KDE. Nós temos uma meta de 10.000 euros,  doem o que podem para tornar Randa 2012 possivel.

14:31, Wednesday, 15 August UTC

August 03, 2012

Live Blue

KDE Release Party em Salvador (BA) – 4.9 disponível

Todos são bem-vindos �� todos, de todas as comunidades. Vamos somente nos encontrar e celebrar o software livre em Salvador !!!


16:03, Friday, 03 August UTC

August 02, 2012

KBlogue

Instalando o KDE 4.9 no Kubuntu 12.04

Ontem, dia 1º de Agosto, foi lançado o KDE 4.9 com diversas novidades e melhorias, então o KBlogue preparou um tutorial bem simples de como instalar esta versão no seu Kubuntu 12.04.

A atualização pode ser feita pelo Konsole com o seguinte comando:
sudo add-apt-repository ppa:kubuntu-ppa/backports && sudo apt-get update && sudo apt-get dist-upgrade
Digite sua senha, autorize o processo teclando S quando solicitado e espere o processo terminar (o que pode demorar, pois ele fará o download de aproximadamente 220 MB)

Para atualizar por interface gráfica, abra o Gerenciador de pacotes do Muon, clique em Configurações e em Configurar as fontes de aplicativos vá na aba Outro Software e clique em Adicionar e digite:

ppa:kubuntu-ppa/backports



Clique em OK e feche a janela, depois espere o processo de atualização de repositórios terminar e feche o Muon.
Após isso basta instalar as atualizações no Gerenciador de atualizações do Muon
Atualizações instaladas e KDE 4.9 funcionando!
Para verificar se o KDE foi atualizado, abra o KInfoCenter pelo menu KickOff ou digitando no Konsole:
kinfocenter
Versão do KDE SC 4.9.00

E você? Gostou do KDE 4.9? Conte-nos nos comentários!

12:46, Thursday, 02 August UTC

August 01, 2012

KBlogue

Corrigindo problemas entre Kubuntu e vídeo integrado Intel G31/G33

Se você é dono de uma placa mãe com vídeo integrado Intel G31/G33 (provavelmente funcione também com outras da Intel) você deve sofrer por problemas com o OpenGL, então neste tutorial bem simples, iremos ensinar como resolver este problema.

Primeiro abra as configurações do Sistema e vá em Efeitos da área de trabalho e depois na aba Avançado.
Em Método de escala, selecione Suave e desmarque a opção Usar os shaders do OpenGL 2.

Aplique as configurações e seja feliz :P
Você tem alguma dica para compartilhar com a gente? Comente!

12:57, Wednesday, 01 August UTC

July 28, 2012

KBlogue

Novidades Kubuntu 12.10 Alpha 3

Seguindo a série de novidades do Kubuntu 12.10, fizemos mais um post com as novidades da versão Alpha 3 do Kubuntu 12.10 Quantal Quetzal.
Está versão está com poucas novidades, mas elas são bem empolgantes.

O Kubuntu 12.10 Alpha 3 está com o Kernel 3.5.0-6 e com KDE 4.8.90 (KDE 4.9 RC)



Agora o LightDM é padrão também no Kubuntu, e suporta a temas em QML.
Tela de login padrão do Kubuntu 12.10 Alpha 3
Personalização do LightDM
Outra novidade bem legal é no Rekonq, que está na versão 1.0, confira as novidades do Rekonq 1.0:
Sincronização dos favoritos com os serviços do Google e do Opera; 
Pode salvar e compartilhar informações de favoritos com o Nepomuk, do KDE
;Melhorias Visuais;
Melhorias na página de favoritos: recurso de arrastar e soltar e função de recarregar previsualização;
Melhorias na página de histórico: carrega mais rápido, mostrando apenas 2 dias por padrão e um recurso de busca no histórico;
Melhorias na página de Downloads: notificação inicial sobre o andamento do download e recurso de busca;
Melhorias nas configurações: adicionados widgets de privacidade e “avançado”;Checagem do mecanismo de busca padrão, com informação do navegador se não houver nenhum configurado;
Melhorias no AdBlock;
Nova função de bloquear e esconder imagens.



Agora o Kubuntu também tem total integração com o OwnCloud, que é um serviço de hospedagem na nuvem.
Para conferir as novidades das versões anteriores, clique em: Alpha 1, Alpha 2.
Conte o que você está achando do Kubuntu 12.10 nos comentários :P

17:58, Saturday, 28 July UTC

July 23, 2012

KBlogue

Kaffeine em português no Kubuntu 12.04

Olá gente, se você não conhece o Kaffeine vale a pena conhecer, ele é um reprodutor de midia para o KDE. Apesar de suportar múltiplos backends do Phonon, o seu backend predefinido é o Xine, dando ao Kaffeine uma grande variedade de tipos de média suportados e permitindo ao Kaffeine aceder a CDs, DVDs e fluxos em rede facilmente.
Para instalar ele no seu kubuntu, clique aqui.


O problema é que na versão 12.04 do Kubuntu foi encontrado um bug que faça com que o Kaffeine não fique em português, então encontrei uma dica na própria página do Launchpad do bug, a solução é bem simples, e criamos um pequeno tutorial para solucionar o problema.


1) Primeiro baixe o arquivo a seguir: kaffeine.mo
Ele é um arquivo da tradução que baixei do pacote language-pack-kde-pt-base do repositório da versão 11.10 do Kubuntu.

2) A seguir, execute o gerenciador de arquivos Dolphin como root digitando no Konsole:

sudo dolphin
3) Depois digite sua senha e espere ele abrir, após isso vá na copie o arquivo baixado no passo 1 chamado kaffeine.mo para o diretório /usr/share/locale-langpack/pt_BR/LC_MESSAGES, e se der conflito pois já existe um arquivo com o mesmo nome na pasta, basta clicar em Sobrescrever, assim como na imagem abaixo:
Sim, eu estou usando um tema do Mac :P

Após se recuperarem do susto ao ver que estou usando um tema do Mac no Kubuntu, basta abrir o Kaffeine e ele estará em português.

E você? Qual player de vídeo e música gostam? Comentem!

14:13, Monday, 23 July UTC

July 15, 2012

KBlogue

Teste o novo KDE Telepathy 0.4

Os desenvolvedores do Kubuntu estão querendo alterar o software padrão de mensagens instantâneas na versão 12.10, substituindo o Kopete pelo KDE Telepathy, que também é multi plataforma. Aprenda neste tutorial como instalar ele no seu Kubuntu 12.04.


Você pode adicionar várias contas para bater papo

Em sua nova versão, o KDE Telepathy suporta chamadas de áudio e vídeo, e a opção de pesquisar no histórico do chat.
Conversa por vídeo em sua nova versão


Ele também está integrado ao ambiente Plasma, trazendo alguns plasmoids (widgets) por padrão na sua instalação que permitem bater papo pelo plasmoid, sem precisar ficar alternando as janelas e também visualizar sua lista de contatos.
Ele vem bem integrado ao ambiente Plasma

Instalando o KDE Telepathy no seu Kubuntu 12.04

Antes de instalar o KDE Telepathy 0.4 no computador, você deve saber que ele está em fase de testes, então erros podem ocorrer, faça por sua conta e risco.

Para instalar o KDE Telepathy na versão 0.4 pelo Konsole, utilize o seguinte comando:
sudo add-apt-repository ppa:kubuntu-ppa/backports && sudo apt-get update && sudo apt-get install kde-telepathy
Para instalar via interface gráfica, abra o Gerenciador de Pacotes Muon, depois vá em Configurações e em Configurar as fontes de aplicativos.

Digite sua senha no próximo diálogo que se abrir.
Na janela Canais de Software, vá na aba Outro Software e clique em Adicionar e digite: 

ppa:kubuntu-ppa/backports


Clique em OK e Feche a janela Canais de Software, automaticamente o Muon irá recarregar a lista de repositórios, espere esse processo terminar, depois, procure por kde-telepathy clique com o botão direito em cima dele e vá em Marcar para instalação, depois clique em aplicar, digite sua senha e espere o processo terminar.


Após isso basta abrir o KDE Telepathy pelo Menu KickOff, indo em Aplicativos, Internet e em Contatos do Mensageiro Instantâneo.


Caso queira verificar a versão do KDE Telepathy, basta ir em na engrenagem, ajuda, sobre o Lista de contatos do Telepathy para o KDE.


No Kubuntu 12.10 o KDE Telepathy 0.4 vem instalado por padrão, então não é preciso fazer esse processo.

Fonte de parte do artigo:  KDE News.

E você, o que achou do KDE Telepathy? Comente!

18:44, Sunday, 15 July UTC

KBlogue

Novidades Kubuntu 12.10 Alpha 2

Olá gente, aqui neste blog já anunciamos as novidades do Kubuntu 12.10 Alpha 1, agora que foi lançado o Alpha 2 fizemos uma nova postagem com as novidades desta versão.


Novidades
Não temos muitas novidades em relação ao Alpha 1, mas as novidades que temos são bem interessantes.

Em baixo do capô o Kubuntu agora vem com utilitários de sistema e2fsprogs 1.42.4, mdadm 3.2.5, autofs 2012-06-01, e btrfs-tools 2012-03-28, além da nova versão do driver de vídeo ATI.

Kernel 3.5.0-3 e com o KDE 4.8.90 (KDE 4.9 Beta) também estão nesta versão do Kubuntu.


O Calligra Suite agora substitui o LibreOffice, e ficou bem mais integrado com o visual do KDE.
Calligra Words 2.5 Beta
O Kopete também foi substituído pelo KDE Telepathy, que também é multi protocolo e acessa a rede MSN por protocolo XMPP, e em sua nova versão terá suporte para conversar por áudio e vídeo.
KDE Telepathy 0.4 no lugar do Kopete
Agora o Kubuntu também vem com um aplicativo para capturar imagens e vídeos da webcam por padrão chamado Kamoso, ele é um aplicativo bem simples e não possui funções para aplicar efeitos e outras coisas.

O Kubuntu vem também com o Skanlite, um digitalizador bem completo, que permite até você digitalizar somente uma parte do arquivo.

Em termos de aparência o Kubuntu está muito parecido ao 12.04 e ao 12.10 Alpha 1, porém a única diferença é que a maioria dos papéis de parede do Kubuntu foram removidos, restando somente dois, mas no entanto foi adicionado um botão para instalar o pacote inteiro dos papéis de parede padrão.

Se comparado com o Alpha 1, o Kubuntu está muito melhor traduzido, com o sistema quase 100% em português.

Considerações finais
A Blue Systems está fazendo um excelente trabalho, deixando o sistema pronto para o usuário final, fazendo o que já era simples, mais simples ainda.

O Kubuntu Alpha 2 está muito estável e nem sequer parece uma versão de testes, com tudo funcionando perfeitamente, mas é bom lembrar que o sistema está recebendo atualizações frequentemente e a qualquer momento uma atualização pode inutilizar o sistema inteiro, se quiser testar, faça por sua conta e risco.

Comente o que você está achando do Kubuntu 12.10 Alpha 2 :)

17:31, Sunday, 15 July UTC

KBlogue

Suavizando as fontes do Kubuntu

Olá, turma. Neste blog já ensinamos como restaurar as fontes do Kubuntu ao seu padrão, agora iremos ensinar como suavizar as fontes do Kubuntu, principalmente nos aplicativos feitos em GTK.

Primeiramente aconselho abra as Configurações do Sistema e clique em Aparência dos Aplicativos.

Aparência dos aplicativos

Agora clique na categoria Fontes e em Usar anti-aliasing deixe em Habilitado e depois clique em Configurar.
Marque a opção Usar renderização de subpixel e deixe em RGB, e em Estilo de hinting selecione Completo.

Suavizando as fontes com o anti-aliasing

Clique em OK e depois em Aplicar e feche essa janela.
Agora reinicie sua sessão e veja a diferença.
Antes e depois da página de configurações do Google Chrome, um software feito em GTK.
Caso após reiniciar sua sessão você notar que as fontes ficaram ainda mais pixelizadas, abra o Dolphin e aperte as teclas Alt e . (ponto final) e exclua o arquivo .fonts.conf, agora reinicie sua sessão novamente e note a diferença.
Gostou deste tutorial? Comente aí sobre o que achou deste tutorial e sobre novas dicas que você quer ver no blog.

17:31, Sunday, 15 July UTC

KBlogue

Instalando o KDE 4.8.4 no Kubuntu 12.04

Semana passada foi lançado o KDE 4.8.4 para o Kubuntu 12.04 e seus derivados, nele encontramos várias correções de bugs e atualizações nas traduções, mas nenhuma mudança extraordinária.
Nesse tutorial irei ensinar atualizar o seu Kubuntu e ficar com a última versão estável do KDE.


Atualizando por linha de comando
Para atualizar por linha de comando utilize o seguinte comando:
sudo add-apt-repository ppa:kubuntu-ppa/ppa && sudo apt-get update && sudo apt-get upgrade
Depois digite sua senha e pressione Enter.
Atualizando pelo Konsole
Após os repositórios serem recarregados pressione a letra S quando for solicitado para autorizar a atualização.
Espere os pacotes serem baixados (aproximadamente 150 MB) e instalados, depois reinicie o computador.
Para saber se a atualização foi bem sucedida, no Konsole digite:
kinfocenter
Na janela que abrir você irá ver Versão do KDE SC 4.8.4 como na janela abaixo:
KDE 4.8.4 instalado
Atualizando via interface gráfica
Caso você não goste de usar o Konsole, você poderá atualizar via interface gráfica, para isso, abra o Gerenciador de Pacotes Muon pesquisando por ele no menu KickOff e vá em Configurações, depois em Configurar as fontes dos aplicativos.
Fontes de aplicativos
Após digitar sua senha irá abrir uma janela, nela vá na aba Outro software e clique em Adicionar
Adicione o repositório
Na janela que abriu, digite:
ppa:kubuntu-ppa/ppa
E clique em OK, depois clique em fechar e espere a lista de repositórios ser recarregada
Espere os repositórios serem recarregados
Depois disso vá no Gerenciador de atualizações do Muon (Menu KickOff, Aplicativos, Sistema, Gerenciador de atualizações do Muon)
Gerenciador de atualizações no menu KickOff
Clique em Procurar atualizações e depois em Instalar atualizações.
O mais importante, as atualizações
Depois reinicie o computador e para conferir se as mudanças funcionaram vá no menu KickOff e pesquise por KInfo e abra o KInfoCenter, você verá isso:
KInfoCenter mostrando o KDE 4.8.4
E aí, o que está achando do KDE 4.8.4? Conte para nós nos comentários.

17:30, Sunday, 15 July UTC

KBlogue

Novidades Kubuntu 12.10 Alpha 1

Mal foi lançado o Kubuntu 12.04 LTS Precise Pangolin e os desenvolvedores já estão trabalhando na versão 12.10 Quantal Quetzal, nesta postagem iremos apresentar quais são as novidades do Kubuntu 12.10 Quantal Quetzal Alpha 1.

Após a notícia que a Canonical deixaria de dar patrocínio ao Kubuntu a partir da versão 12.04, sua nova patrocinadora é a Blue Systems, uma empresa já envolvida no meio KDE, por meio do Mint KDE, Netrunner, Rekonq, KDE-Gtk-Config, entre outros.

A Blue Systems já anunciou que não tem planos de implementar muitas novidades no Kubuntu 12.10, mas o que foi confirmado por enquanto é que ele irá vir em sua versão final com Kernel 3.5 com a possibilidade do 3.6 ser usado, o LightDM irá substituir o KDM, e o KDE Telepathy irá entrar no lugar do Kopete. No entanto, até o final do ciclo de desenvolvimento desta versão poderão ocorrer muitas mudanças.

Novidades

A instalação continua sendo idêntica a do 12.04, sendo bem simples, então se você conseguiu instalar o Kubuntu 12.04, tenho certeza que conseguirá instalar o 12.10.
O instalador continua sendo o mesmo.

Na versão Alpha 1, temos poucas novidades, mas elas são bem interessantes, uma delas é o Kernel 3.4.0-5 e o KDE SC 4.8.80.
Kernel 3.4

Em questão visual pouquíssima coisa mudou, mas no Dolphin temos algumas novidades legais, como a área de Devices (dispositivos) conectados, que agora ficam separados das pastas, e também o ícone de configurações mudou de posição, agora ele fica na parte de cima, e não no canto direito. 
Novidades sutis no gerenciador de arquivos, Dolphin

Uma outra novidade é que agora o Kubuntu vem com mais papéis de parede por padrão, bem diferente do 12.04 que vinha apenas com um.
Mais opções papéis de parede estão disponíveis no Kubuntu 12.10

Em questão de estabilidade, ele está bem estável, mas lembrando, é uma versão alpha, então a qualquer momento podem ocorrer erros graves. Contudo, caso você queira testar, faça o download no link: 


Lembrando, somente use para fim de testes, e nunca numa máquina de produção. 
E você, já testou o Kubuntu 12.10 Quantal Quetzal? Deixe seu comentário sobre o novo Kubuntu.



17:30, Sunday, 15 July UTC

KBlogue

Melhorando a performance do Kubuntu

Todos nós sabemos que o KDE e o Kubuntu tem a fama de ser "pesadão" e de exigir muitos recursos da máquina, mas com as evoluções que tiveram isso foi deixando de ser realidade.

Neste tutorial vamos ensinar como deixar seu Kubuntu ainda mais rápido e leve.



Mantenha seu sistema atualizado

As atualizações corrigem eventuais erros e trazem ganho de performance, sendo assim sempre verifique as atualizações disponíveis para o Kubuntu no Gerenciador de Atualizações do Muon.

Sempre atualize seu Kubuntu

Também recomendamos sempre atualizar o KDE para a última versão estável disponível, aqui no blog já ensinamos como instalar o KDE 4.8.4 no seu Kubuntu 12.04.

Instale Softwares de otimização

Recomendamos instalar o Preload, que monitora os softwares que você mais usa no seu computador, carregando-os na memória antes do você abri-los, deixando a inicialização do software bem mais rápida.
O serviço roda em background, etão é só instalar e ele estará funcioando automaticamente, sem precisar fazer mais nada.

Clique aqui para instalar o Preload, ou digite o seguinte comando no Konsole:
sudo apt-get install preload
Sugerimos que você troque o Swap pelo zRam, O zRam aumenta a performance ao evitar a paginação de disco usando um dispositivo de bloco comprimido na memória RAM, que fica responsável pela paginação, até quando for necessário usar o espaço swap no disco rígido. Em outras palavras, ele usa esse dispositivo de bloco comprimido na memória RAM para paginação ao invés de usar primeiro a paginação em disco propriamente dita.
Para instalar o zRam utilize o seguinte comando no Konsole:
sudo add-apt-repository ppa:shnatsel/zram && sudo apt-get update && sudo apt-get install zramswap-enabler -y
Em máquinas com mais de 1 GB de memória o ganho de desempenho não é tão perceptível, mas em máquinas com menos de 1 GB o ganho de performance é enorme.

Use softwares que exija menos hardware

Use softwares que exijam menos do seu hardware, use alternativas mais leves se você quer mais rapidez. Você que usa o Amarok deve saber que ele é um guloso "comedor" de recursos, então que tal usar um player mais leve? Que tal o Clementine ou o Bangarang? 

Bangarang, um ótimo player para Linux


Otimize o KDE

Como já falamos no começo do tutorial, o KDE com as atualizações e evoluções ficou bem mais leve, mas ainda é possível deixar o KDE bem mais fluido.

Inicie o KDE com uma sessão vazia

Por padrão, o Kubuntu faz o KDE salvar seus programas que ficaram abertos no desligamento para inicia-los na quando você ligar seu computador novamente.

Para iniciar com uma sessão vazia, e fazer o KDE parar de lembrar dos programas que ficaram abertos vá no menu KickOff e pesquise por "gerenciamento de sessões"


Na categoria "Na inicialização" selecione Iniciar com uma sessão vazia.



Aplique e feche o Gerenciador de sessões. Pronto, agora seu Kubuntu sempre irá iniciar com uma sessão vazia, fazendo ele iniciar mais rápido.


Desabilite os alguns efeitos visuais

Os efeitos visuais são um dos atrativos no Linux, e no Kubuntu não é diferente, mas o problema é que alguns deles são bem pesados, e exigem mais recursos da máquina, então iremos ensinar como desligar alguns destes efeitos.

Vá no menu KickOff e pesquise por "efeitos"


Abra as configurações dos Efeitos da área de trabalho. Vá na aba Todos os efeitos e desabilite os efeitos desejados. Desta lista eu recomendo desabilitar o efeito Borrar que é o maior vilão dos efeitos gráficos, depois de desabilitar os efeitos desejados, clique em aplicar e feche a janela.


Desative o Nepomuk

Um outro vilão de processamento é o Nepomuk, para desativá-lo vá no menu KickOff e pesquise por pesquisa, abra a Pesquisa na área de trabalho e desmarque a opção Habilitar o ambiente de trabalho semântico do Nepomuk, aplique e feche a janela.


Instalar o Kubuntu-low-fat-settings

O pacote de configurações Kubuntu-low-fat-settings desabilita todos os efeitos visuais, e alguns módulos do KDE, deixando ele bem mais leve, mas no entanto tanta "leveza" tem um custo, a aparência fica bem diferente, ficando mais feia, mas é claro, a aparência pode ser personalizada novamente, se quiser.
Para instalar o kubuntu-low-fat-settings, basta clicar aqui ou digitar o seguinte comando no Konsole:

sudo apt-get install kubuntu-low-fat-settings

Essa aparência se chama Plastique, e é ativada por padrão com a instalação do kubuntu-low-fat-settings

Após todas essas alterações reinicie seu computador e veja o resultado.

Fonte de parte do artigo: Ubuntu-BR-SC

E você, usa algum truque para aumentar a velocidade do seu Kubuntu? Nos diga qual é nos comentários.

17:26, Sunday, 15 July UTC

July 09, 2012

Live Blue

Plasma Active – Uma Nova Abordagem

Plasma Active – Uma nova abordagem no mundo dos tablets

Por que voce gastaria alguns dolares em um aparelho que é um pouco mais que umsmartphone (com uma tela maior mas sem o telefone) ?

Apesar do sucesso dos iPads da Apple essa é uma questão que parece desafiar a maioria dos vendedores de hardware e software. O MeeGo lutou para construir uma interface de usuário para tablets mas não conseguiu mais que um pré-lançamento. Apresentou algumas funcionalidades simples, tais como assistir vídeos, tocar música ou navegar na web, realmente não mais do que um telefone moderno com uma tela maior poderia fazer. Mesmo o iPad, um reconhecido sucesso, é pouco mais do que um iPhone maior. O seu conjunto de aplicações tem sido amplamente copiado pelos tablets baseados em Android que surgiram no mercado até o momento.

Mas para que servem os tablets ?

Um tablet em uso (ou não utilizado em uma de suas gavetas) é um verdadeiro computador. Ele pode fazer mais do que simplesmente navegar na web e assistir vídeos ? Marco Martin, conhecido hacker KDE e colaborador da basysKom pensa assim: “o fato que pessoas baixam e usam várias aplicações mostra que existe esse desejo de fazer algo mais”. Ele se incomoda com o fato que “a maioria das aplicações para dispositivos móveis parecem estar desconectadas uma das outras”. Marco acredita que é este o ponto onde o Plasma Active – interface para usuário desenvolvida pelo KDE e o conjunto de aplicações para dispositivos móveis touchscreen – pode atacar e disponibilizar uma brilhante solução.

11156f1.jpg

Figura 1. O Plasma Active vem com uma seleção de aplicações, algumas mais prontas para touchscreen do que outras

Plasma Active traz uma nova abordagem para dispositivos touchscreen e tenta oferecer mais do que um conjunto de aplicativos para as tarefas mais simples. Mais que um desktopou mesmo um notebook, um aparelho touchscreen é fácil de ser transportado e utilizado em diferentes contextos e para diferentes fins. O Plasma Active faz uso das activities do KDE, algo que tem confundido os usuários do ambiente desktop (veja activities – uma solução procurando por um problema ?), mas, os desenvolvedores acreditam, que faz sentido nostablets.

Aaron Seigo – membro-fundador do Plasma Active e um dos principais desenvolvedores por trás da família de interfaces para usuário KDE Plasma – celebra as activities como um grande avanço, dizendo que “muitos consideram que a habilidade de organizar informações e aplicações entre diferentes activities aumenta significativamente o valor do dispositivos na vida deles”. Ele usa um exemplo pessoal: “enquanto eu estava de férias, utilizei as activities para manter o controle dos meus roteiros e planos, de algumas tarefas do trabalho e para manter-me atualizado de tudo na volta para casa. Eu tenho algunstablets Android e em nenhum deles teria sido tão útil.”

Activities – uma solução procurando por um problema ?

Desde 2008 o KDE tem investido no conceito de activities com resultados divergentes. Muitos usuários não têm certeza da diferença entre activities – projetada para permitir a divisão de diferentes tipos de tarefas – e desktops virtuais – utilizados por muitas pessoas para também dividir diferentes tipos de tarefas.

A idéia é que, embora os desktops virtuais ofereçam espaço extra e alguma forma de agrupamento (por exemplo, você pode ter diferentes áreas de trabalho para e-mail, web, trabalhos numéricos e trabalhos gráficos), as activities disponibilizam interfaces específicas para tarefas diferentes em diferentes momentos.

Imagine que você é um estudante universitário. Você poderia usar os desktops virtuais conforme descrito acima: com e-mail em desktop virtual e anotações de aula em outro. Mas você pode usar as activities para definir agrupamentos para cada disciplina. Você teria uma calculadora na sua activity “Aula de matemática”, uma tabela periódica na sua activity“Laboratório de química” e acesso rápido aos seus jogos na activity “Tempo livre”. Com o mecanismo de troca rápida entre activities e as recomendações automática por activity, oPlasma Active leva este conceito mais longe, fazendo com que o tablet altere totalmente sua configuração de acordo com a mudança da activity. Dessa forma, você terá seu tabletconfigurado do jeito que você quer, para cada tarefa que você possa experimentar.

11156f2.jpg

Figura 2. Você pode customizar cada activity com widgets específicos e alternar entre activities facilmente utilizando o Seletor de Activities.

Primeiras Impressões

Quando você inicia o Plasma Active pela primeira vez (veja Experimente o Plasma Active 2 para saber como usá-lo), você obtém o que parece ser um desktop KDE padrão. As principais diferenças são um painel no topo da tela e a ausência do menu convencional de aplicações. Duas pequenas abas parcialmente abertas em cada lado da tela também não são encontradas no espaço de trabalho padrão do KDE. Esses três itens fornecem o controle principal do Plasma Active. Arraste um pouco o painel de cima para baixo e você verá uma barra de tarefas sensível ao toque, com uma visualização dos aplicativos atualmente em execução e um botão para minimização destes aplicativos. Arraste um pouco mais abaixo e você verá um conjunto de ícones de aplicativos, não muito diferente das previstas no Android ou tablets da Apple, com uma caixa de pesquisa onde você pode rapidamente localizar o aplicativo desejado. Até agora, nada tão revolucionário.

Experimente o Plasma Active 2

O lançamento mais recente do Plasma Active é bem fácil de testar. Se você já tem um computador rodando Meego ou OpenSUSE você pode instalar os pacotes necessários. Entretanto, uma opção mais segura e conveniente é tentar um das live-images disponíveis – elas ainda podem ser utilizada para instalação caso você goste do Plasma ActiveLive images baseadas no Meego são disponibilizadas pela basysKom, enquanto a open-slx fornece uma imagem baseada na distribuição Balsam Professional (derivada do OpenSUSE e mantida pela própria open-slx).

Você pode ainda tentar o Plasma Active em dispositivos ARM (por exemplo em tabletsAndroid) usando uma imagem construída com base no Mer – porte do MeeGo para arquiteturas ARM.

Detalhes sobre a instalação e opções de teste podem ser encontrados na wiki do KDE (http://community.KDE.org/Plasma/Active/Installation).

O desempenho das live-images depende do pendrive e do tablet sendo utilizados. Você pode instalar efetivamente o software para obter um melhor desempenho mas isso pode, é claro, sobrescrever o seu sistema operacional existente.

À medida em que o Plasma Active – e tablets em geral – se tornem mais conhecidos, é provável que muitas distribuições comecem a oferecer o Plasma Active como interface de usuário ou disponibilizem distribuições especialmente otimizadas para o Plasma Active.

Como Aaron Seigo notou: “uma solução somente importa se as pessoas podem realmente utilizá-la”. Você poderá encontrar algum dia dispositivos com Plasma Active à venda, a equipe do Plasma Active está “trabalhando muito para tornar isto uma realidade em um futuro próximo”.

Se adaptando a diferentes tarefas

As duas abas dos lados da tela são características únicas do Plasma Active. A aba na direita quando arrastada revela o seletor de activities, onde cada activity é representada por uma imagem. Algumas activities são pré-definidas, tais como “Introdução” (fornece alguma informação sobre como começar), “Plano de Férias” (exemplo de activity para uma atividade específica) e “Minha Primeira Activity” (que o convida a fazer a sua própriaactivity). Você pode remover, configurar ou adicionar activities usando ícones que estão visiveis no seletor de activities.

11156f3.jpg

Figura 3. Você pode ter uma activity para cada tarefa que você precisa e deseja fazer.

Selecionar uma activity modifica o papel de parede e os widgets do desktop para aqueles associados com a activity selecionada. Escolha a activity de planejamento de férias e você verá o papel de parede associado, terá o widget KDE para previsão do tempo e osbookmarks para o OpenStreetMap, Wikitravel e serviços ferroviário em seu desktop. Você pode abrir um navegador e começar a fazer as suas reservas de férias mas se o seu filho (ou você) tem uma repentina vontade irresistível de jogar Solitaire, você pode simplesmente mudar para uma activity criada para jogos. Se você verificar a barra de tarefas (puxando para baixo o painel do topo) você vai ver que ele só exibe as aplicações da activity atual. Portanto, suas reservas de férias estão a salvo de pequenos dedos acidentalmente fechando o navegador ou atualizando as reservas para viagens transatlânticas de primeira classe. Uma vez que seu filho (ou você) tenha terminado de jogar, você pode usar o seletor de activities para voltar a reservar as suas férias rapidamente.

Ficando esperto com Nepomuk

A aba do lado esquerdo da tela exibe as recomendações do Plasma Activelinks para arquivos, widgets e contatos que podem ser relevantes para a atividade atual. Tudo isso é baseado no Nepomuk: tecnologia de armazenamento semântico do KDE que cria links entre itens baseado nos seus contextos de uso. Marco explica que isso permite que “as informações armazenadas no dispositivo sejam mantidas em um local central, permitindo que sejam tratadas de maneira uniforme e exibidas de forma coerente, independentemente se é um arquivo, um contato, um bookmark ou informações sobre um local, ligando-as através de informações semânticas”. O que isto significa na prática é que as recomendações são mais do que uma lista de arquivos usados recentemente ou mais acessados, sugerindo documentos que são frequentemente usados em conjunto com aqueles atualmente abertos ou usados frequentemente na mesma activity (as recomendações são específicas a cada activity). Enquanto eu escrevia este artigo o sistema me sugeriu alguns itens irrelevantes mas rapidamente aprendeu a sugerir imagens que eu tinha coletado e sugeriu acrescentar as “Diretrizes para autores do Linux Journal” e o “Plasma Active Wiki Pages” aos meus favoritos. A idéia é que o sistema aprenda com o seu usuário e torne-se cada vez mais útil com o passar do tempo. Com base na minha experiência, o Plasma Active ganha a minha aprovação mas com cautela.

11156f4.jpg

Figure 4. O Plasma Active disponibiliza recomendações de arquivos e ações relevantes à activity atualmente em execução.

Nepomuk, desde que foi introduzido pela primeira vez no KDE em 2008, tem sido alvo de muitas queixas sobre o uso de recursos, algo que é certamente motivo de preocupação ainda mais em um dispositivo portátil de baixo consumo de energia. Marco, no entanto, aponta que “em um dispositivo móvel a quantidade de dados armazenados é muito pequena se comparado a um desktop, e as medições mostraram que o uso da memória permanece muito pequeno devido ao número limitado de itens”. Além disso, ao utilizar um armazenamento central “evita-se a necessidade de desenvolver um armazenamento/indexação diferente para cada aplicação”. Aaron concorda: “os dispositivos alvo são atualmente todos na faixa de 600MHz a 1GHz de processamento com 256MB ou mais de memória RAM. Nesses dispositivos o Nepomuk funciona de modo aceitável”. Mesmo assim os desenvolvedores estão trabalhando em várias “otimizações e melhorias” e Aaron reconhece que há sempre a possibilidade de “desintalar o Nepomuk em alguns cenários menos favorecidos, em termos de hardware e interação com o usuário”. Eu não presenciei a tradicional lentidão que às vezes acompanha uma extensa indexação nos ambientes desktop.

As aplicações são o centro de tudo

A interface de usuário é elegante e bem planejada e, através das activities, oferece algo diferente da concorrência. No entanto, um computador é apenas tão bom quanto as aplicações disponíveis e, se deseja-se que o Plasma Active seja um sucesso, o KDE deve disponibilizar um conjunto convincente de aplicações touch-friendly.

11156f5.jpg

Figura 5. As aplicações que já foram ajustadas para o uso com o Plasma Active, como o visualizador de imagens, funcionam bem.

Algumas variantes “Active” das aplicações do KDE já estão disponíveis. Estas incluem aquelas concebidas especificamente para o Plasma Active, tal como o navegador web e o visualizador de imagens, sendo que ambos bastante fáceis de usar. Algumas outras aplicações, tais como o media player Bangarang, sofreram modificações para se tornarem mais touch-friendly. Há versões Active para o conjunto de aplicações de groupware Kontact. Elas são fáceis de usar com touch-screen, mas suas interfaces são tão diferentes dos seus homólogos desktop que mesmo se você é um usuário experiente do Kontact, você vai descobrir que demora um pouco para se acostumar. O Calligra, parte da suite de produtividade do KDE, também está disponível na sua versão Active, porém com baixo desempenho no dispositivo que usei. Entretanto, a tecnologia de base do Calligra já vem sendo utilizada com sucesso nos visualizadores FreOffice dos telefones Nokia, por isso é provável que o desempenho melhore.

Algumas outras aplicações como o Dolphin (gerenciador de arquivos do KDE) não foram adaptadas para o Plasma Active. A mesma interface original é usada nas operações de abrir e salvar arquivos da maioria das aplicações, mas essas serão melhoradas nas próximas versões.

Uma das principais aplicações para tablets – o teclado na tela – funciona muito bem, com botões fáceis de usar e um layout sensato. Aparece quando necessário mas pode ser alternado de baixo para o topo da tela, se desejado.

11156f6.jpg

Figura 6. O teclado na tela é fácil de usar e pode ser acultado quando necessário.

Compartilhar, Curtir, Conectar

Outro novo recurso do Plasma Active é a presença dos botões do painel superior: Compartilhar, Curtir e Conectar. Estes botões tornam mais fácil o compartilhamento imediato de conteúdo (tais como imagens) em redes sociais ou serviços de armazenamento on-line; “curtir” informações presentes em redes sociais ou localmente (por exemplo, fazendo obookmark de uma página), e conectar itens a outros como, por exemplo, associar um documento ou página web à activity atual de modo a sempre estarem prontamente disponíveis no futuro. Dessa forma, se você quiser ter acesso rápido a uma imagem, basta clicar no ícone “Conectar” para adicioná-la como um widget da área de trabalho da activityatual.

11156f7.jpg

Figure 7. Você pode facilmente associar um arquivo ou página web à uma activity usando o botão Conectar (Connect).

Aberto para Negócios

Plasma Active tem sido um projeto incomum dentro do KDE devido à forte participação de empresas desde a sua concepção. Entre estas a basysKom contratou desenvolvedores para trabalhar no Contour: a combinação de activities e recomendações centrais à experiência do usuário do Plasma Active. Marco afirma que “todo mundo da comunidade é convidado a participar e contribuir, assim como qualquer outro projeto KDE – as empresas são também membros da comunidade e estão ajudando em muitas tarefas (incluindo as menos divertidas, com o objetivo de alcançar o nível de qualidade necessário a um produto real)”. Estas empresas estão também tornando mais fácil experimentar o Plasma Active, através da disponibilização de live-images fornecidas pelo basysKom e open-slx (veja Experimente o Plasma Active 2).

Vida após o MeeGo

No passado, grande parte dos esforços do KDE no mundo mobile eram direcionados a dispositivos robustos baseados no MeeGo, particularmente aqueles criados pela Nokia. No entanto, a decisão da Nokia de usar o Windows como base para seus smartphones e o subsequente descarte do MeeGo pela Intel em favor da colaboração com a Samsung (Tizen) têm modificado este cenário. Estas notícias, entretanto, não preocupam tanto os desenvolvedores do KDE. Aaron aponta que “o Plasma Active não é dependende de qualquer sistema operacional e é altamente portável”. De fato, existem “live-images para o OpenSUSE, Meego e Mer”.

Dispositivos ARM rodando o Android são muito populares atualmente e o Plasma Activetambém tem alguns desses hardwares como alvo através de uma live-image específica para ARM baseada no projeto Mer. Mas e o Android em si ? Não é atualmente a alternativa mais atraente para Marco, que argumenta que “o Android, embora lançado com uma licença open-source, é fortemente controlado pelo Google e não deixa muito espaço para que uma comunidade de desenvolvedores cresça e contribua”. Ele, no entanto, reconhece que o Android “é de fato uma boa plataforma e não excluímos algum trabalho de integração com ela no futuro”.

Existe também a possibilidade de o Plasma Active ou tecnologias relacionadas vislumbrarem muito mais do que apenas tablets. Aaron observa que já “alguns estão sendo executadas em dispositivos handset“, mas que “a experiência de usuário atual foi projetada especificamente para tablets“. Ele planeja, no entanto, começar a trabalhar com “interfaces especificamente projetadas para outros form factors, tais como set-top boxes e handsets“. O elemento chave para isso é a forma com que o Plasma foi projetado: “o Plasma permite a contrução de múltiplas (e diversas) interfaces de usuário sem começar do zero. O Plasma DesktopPlasma Netbook e agora o Plasma Active são exemplos reais deste benefício: todos eles são visivelmente bem diferentes mas compartilham quase todo o código.”

O futuro do Plasma Active

Plasma Active é ainda um software recente. O Plasma Active 2 foi lançado pouco antes de este artigo ser escrito e é a versão discutida aqui. O Plasma Active 3 é esperado para o final de 2012 e “trará novos recursos e novas aplicações”, de acordo com Aaron. A partir de uma perspectiva puramente de usuário final, o número limitado de aplicações touch-friendly significa que o Plasma Active ainda não está pronto. No entanto, vale a pena experimentar e pode ser ainda mais atraente no seu terceiro lançamento ainda este ano. Ele já está mais elegante e completo do que qualquer um dos tablets MeeGo pré-lançados.

Há outras razões para se entusiasmar com o Plasma Active. Para Marco, a motivação para começar a trabalhar no Plasma Active teve “razões diferentes, ambas puramente tecnológicas e sociais”. As sociais são talvez melhor resumidas por Aaron: “atualmente há um foco excessivo em dispositivos criados somente para atender a proprietários de lojas de aplicativos e focam no consumo de novos dispositivos simplesmente pelo fato de serem uma novidade”, algo que ele acredita que tem “paralisado o progresso”.

Aaron vê um futuro diferente para o Plasma Active e aqueles que optam por contribuir ou usar o software: “deveríamos estar procurando uma forma de apoiar a vida das pessoas e torná-la melhor. Isso precisa ser feito de forma socialmente responsável, o que significa que software livre, bem como processos abertos, devem guiar o desenvolvimento. Este é o propósito do Plasma Active.”

Fontes

Plasma Active: http://plasma-active.org

Plasma Active Installation: http://community.KDE.org/Plasma/Active/Installation

Artigo Original (inglês): Linux Journal – Plasma Active – a New Approach to Tablet Computing


13:29, Monday, 09 July UTC

July 06, 2012

KBlogue

E:Encountered a section with no Package: header, E:Problem with MergeList


- Não sei o motivo, mas ao tentar atualizar meu Kubuntu 12.04 pela primeira vez após a instalação, surgiu esse erro. Graças a um tópico no ubuntuforuns, consegui resolvê-lo. Para isso, digitei no terminal o seguinte comando:
 sudo rm /var/lib/apt/lists/* -vf

- Após isso, atualizei normalmente o apt-get com o comando:
sudo apt-get update

- Problema resolvido.

18:08, Friday, 06 July UTC

KBlogue

Restaurando fontes padrões do Kubuntu 12.04


Se você leitor, assim como eu, mexeu nas fontes do Kubuntu e não consegue restaurá-las, eis aqui a solução.
- Abra o Konsole e entre no dolphin como root, usando o comando: sudo dolphin

- Navegue até a pasta /home/*seu usuário*

- Digite Alt + . [sim, um ponto] para exibir os arquivos ocultos

- Entre na pasta .fontconfig e apague todos os arquivos lá existentes

- Procure o arquivo .fonts.conf e apague-o.

- Feche a sessão e logue novamente. As fontes estarão restauradas.

18:08, Friday, 06 July UTC

April 12, 2012

Francisco Fernandes (chicao)

Krita 2.4 Lançado!

Finalmente é lançado o Krita 2.4, primeiro release realmente pronto para uso por artistas profissionais. Ja faz um tempo que acompanho a lista dos desenvolvedores e os caras colocaram muito esforço em cima dessa versão. Estabilidade foi a principal delas, resultando numa aplicação bastante agradável de se produzir.






As principais melhorias foram a integração de novos pincéis, aumento no desempenho do programa, pintura espelhada (gera-se cópias refletidas da pincelada feita em um ou mais eixos definidos no canvas ), melhoria na sensibilidade de pressão via tablet, compartilhamento (usando as funções do desktop semântico Nepomuk ) e Quick access wheel (acessar de maneira mais ágil as ferramentas favoritas do artista).

Quick-access wheel

Também tem um instalador experimental para Windows do Calligra em que o Krita esta integrado, mas é ainda o RC 2. Caso alguém se aventure por lá, dá um feedback aqui ;).



Para mais informações, tem este PDF com descrição completa das novas funcionalidades e este tópico no fórum do KDE com produção artística, pra se
ter ideia do que o programa é capaz.

21:54, Thursday, 12 April UTC

April 08, 2012

Live Blue

Lançado o Qt 5 Alpha

Qt 5 Alpha

Por Lars Knoll em 3 de Abril de 2012

O Qt Project tem o orgulho de anunciar o primeiro lançamento do Qt 5 Alpha. Todos os recursos do Qt 5.0 já estão implementados e agradecemos desde já os possíveis testes e feedbacks a serem realizados pelos usuários mais avançados das bibliotecas Qt. Esta é uma versão disponibilizada apenas em código-fonte – consulte a seção “Instalação” abaixo para informações sobre como gerar binários ou encontrar aqueles publicados pela comunidade.

Todo o esforço está sendo colocado agora na estabilização, melhorias no desempenho e documentação. Esperamos comemorar o lançamento final durante o Qt Contributors Summit [qt-project.org] (de 21 a 23 de Junho em Berlin). Toda a sua ajuda é bem vinda!

Download

A versão alpha pode ser obtida em vários formatos no release archive [releases.qt-project.org]

Visão Geral do Qt 5

O Qt 4 foi lançado há quase sete anos e continua hoje totalmente atualizado e competitivo, na sua versão estável 4.8. A próxima grande iteração, 5, aprofunda quatro aspectos essenciais do Qt:

  • Incríveis capacidades gráficas e de desempenho, especialmente manifestadas em ambientes restritos, como dispositivos móveis. O Qt Quick 2 traz um scenegraph baseado em openGL, um sistema de partículas e uma coleção de efeitos de sombreamento. O Qt Multimedia, Qt 3D e Qt Graphical Effects potencializam esses recursos ainda mais.
  • Mais produtividade e flexibilidade para o desenvolvedor, tornando o JavaScript e QML entidades de primeira classe, ao mesmo tempo em que mantém o C++ e o suporte aos Qt Widgets convencionais. O novo backend javascript do Qt, alimentado pelo V8, o Qt JSON DB e o Qt WebKit 2 facilitará a vida dos desenvolvedores HTML5.
  • Portabilidade cross-platform é agora mais simples graças à nova estrutura dos módulos Essentials e Add-Ons, além da consolidação da Qt Platform Abstraction [qt-project.org]. Estamos ansiosos para ver o Qt em execução em todos os tipos de ambientes!
  • Open Development e Open Governance garantem maior participação no desenvolvimento e teste do Qt 5 por uma crescente comunidade de desenvolvedores, incluindo a Nokia, o projeto KDE, Digia, Collabora, Accenture, KDAB e muitas outras empresas e indivíduos. Hoje, todos nós comemoramos !

O que está sendo lançado ?

O Qt 5 Alpha inclui os seguintes módulos:

  • Essentials : Qt 3D, Qt Core, Qt GUI, Qt JS Backend, Qt Location, Qt Multimedia, Qt Network, Qt QML, Qt Quick, Qt SQL, Qt Test e Qt WebKit.
  • Add-Ons : Qt D-Bus, Qt Graphical Effects, Qt Image Formats, Qt OpenGL, suporte a impressão, Qt Publish/Subscribe, Qt Quick 1, Qt Script, Qt Script Tools, Qt Service Framework, Qt SVG, Qt System Info, Qt Tools, Qt Wayland, Qt WebKit Widgets, Qt Widgets, Qt XML e Qt XML Patterns.

Versões futuras podem incluir mais módulos. Veja a lista completa de módulos disponíveis em Módulos do Qt Essentials e Módulos do Qt Add-Ons .

Demos e exemplos

Alguns exemplos visuais e ilustrativos para os apressadinhos ��

 

  • Livecoding video effects with Qt 5 [do youtube.com] – Mostra o Big Buck Bunny como você nunca viu antes, com Qt Quick 2 em ação.
  • Pimp my video: efeitos de sombreamento e multimídia [labs.qt.nokia.com] – Veja os efeitos de vídeo do Qt 5 neste blog.
  • Qt Graphical Effects no Qt Qt Labs [labs.qt.nokia.com] – O mesmo que acima, porém aplicado a imagens estáticas.
  • Raspberry Pi, Qt 5, QML, Shaders [do youtube.com] – Um vídeo criativo mostrando efeitos GL e codificação on-the-fly utilizando uma placa de somente 35 dólares.
  • Novas características do Qt 3D [do youtube.com] – Vídeo não tão recente, mas ainda útil para ver o que os designers 3D podem fazer com o Qt.
  • Qt MediaHub [qt-project.org] – grande exemplo do poder e da conveniência do Qt Quick. Demonstração funcional e com código disponível, para você aprender as melhores práticas ao utilizar Qt / QML.
  • Compilando o Qt 5 para o Playbook – Instruções para testar o Qt 5 e executar seus aplicativos no tablet Blackberry.
  • QtonPi [wiki.qt-project.org] – projeto de ponta para a construção de um sistema operacional mínimo e um SDK, otimizados tanto para o Qt 5 quanto para a placa Raspberry Pi.
  • Snowshoe [snowshoe.cc] – navegador baseado no Qt 5 utilizável agora no Nokia N9.
  • Quasi Engine [indt.github.com] – Uma estrutura baseada no Qt 5 para facilitar o desenvolvimento de jogos 2D fornecendo elementos QML que representam entidades necessárias na maioria dos jogos.

O que há de novo ?

Aqui está só um resumo. A lista completa de funcionalidades pode ser encontrada em Características do Qt 5.

Outros detalhes estão disponíveis em: http://qt.gitorious.org/qt/qtbase/blobs/master/dist/changes-5.0.0

Qt Quick

  • O Qt Quick é agora um módulo do grupo essentials, contendo o scenegraph baseado em OpenGL e todos os itens usuais.
  • Novo suporte para efeitos de sombreamento baseados em openGL e partículas.
  • O QML e o suporte a JavaScript ganharam módulos próprios dentro do grupo essentials.
  • O Qt Quick, como no Qt 4.x, está disponível em um módulo Add-On totalmente compatível com o Qt Quick 1.

Qt JS Backend

  • Novo módulo com a engine V8 JavaScript, proporcionando um desempenho muito melhor.
  • Novas classes QJSEngineQJSValue.

Qt QML

  • Novo módulo que contento a engine QML.
  • Muitas melhorias no desempenho e algumas melhorias para suporte a idiomas.
  • Em sua maioria é source-compatible, mas quando desenvolvendo itens QML em C++ algumas mudanças são necessárias devido a nova scenegraph.

Qt 3D

Qt WebKit

  • O módulo Qt WebKit agora é baseada em WebKit2. As APIs C++ não foram modificadas.
  • Muitas melhorias de desempenho e melhor conformidade com o HTML5.
  • O módulo baseado no WebKit1, como no Qt 4.x, agora é chamado Qt WebKit Widget e está disponível como um add-on.

Qt Core

  • Classe QStandardPaths disponibilizando locais padrão para arquivos.
  • Reconhecimento automático de tipos MIME.
  • Verificação em tempo de compilação da sintaxe de conexão de sinais e slots.
  • Novo mecanismo para expressões regulares, baseado no Perl.
  • Muitas estruturas de dados foram reescritas e otimizadas para um melhor desempenho.
  • Suporte ao C++11 onde possível (mas o Qt continua a compilar e funcionar com compiladores C++98).

Qt Gui

  • Suporte para superfícies de alto nível através da classe QWindow.
  • Suporte nativo a OpenGL.

Qt Network

  • Suporte para pesquisas de DNS.
  • Classes QHttp e QFtp removidos (eles estão disponíveis stand-alone quando necessário).

Qt Location

  • Classes relacionadas a mapas e geolocalização que anteriormente faziam parte do Qt Mobility agora estão contidos em um módulo próprio.

Qt Widgets

  • Todas as classes QWidget antigas, baseados no Qt Gui, foram separadas em uma nova biblioteca Qt Widgets.
  • Portados para a nova Qt Platform Abstraction.
  • Funcionarão normalmente como no Qt 4.x.

Problemas conhecidos

  • A compilação do Qt WebKit está desabilitada no Windows, pois sua compilação neste momento é bastante complexa. Estamos trabalhando para tê-la re-ativada e em pleno funcionamento para a versão beta.
  • Traduções ainda não funcionam; aplicações Qt aparecerão sempre em Inglês.

Instalação

Esta versão inclui apenas os pacotes fontes, sem binários oficiais. Os desenvolvedores devem construir seus próprios binários – ver Instruções de compilação do Qt 5 Alpha.

Você pode procurar também os binários não oficiais publicados pela comunidade.

Veja também Compilando o Qt 5 a partir do Git [qt-project.org].

Portando código existente

Veja Transição do Qt 4 para Qt 5 [wiki.qt-project.org].

Documentação

A documentação da API para o alpha está disponível em documentação Qt 5.0 [qt-project.org].

Comentários

Os desenvolvedores que usam Qt estão convidados a aderir a lista de discussão para compartilhar impressões e buscar ajuda da comunidade.


22:19, Sunday, 08 April UTC

February 23, 2012

Live Blue

Pré-venda do Tablet com KDE Plasma superou as expectativas

A inscrição de Pré-venda para o Tablet ’Spark’ KDE Plasma mal abriu e já encerrou, devido à enorme demanda que superou as expectativas.

“Foram tantos pedidos que nós alcançamos nossa capacidade de produção inicial e tivemos que fechar o programa de pré-venda, por enquanto”, disse o líder do projeto Spark, Aaron Seigo.
O Spark terá uma tela multi-touch capacitiva de 7″, um processador ARM CortexA9, 512MB de RAM e 4GB de armazenamento interno. Um slot de cartão SD, várias portas USB e uma mini-HDMI, e espera-se ser vendido por €200.
“Assim que a efetivação da compra puder ser feita, estaremos enviando e-mails para os inscritos na pré-venda, logo, quem se inscreveu primeiro receberá seu Spark primeiro.”

Mais informações sobre o Spark e sobre as inscrições, podem ser visualizadas no blog do desenvolvedor do Spark: aseigo.blogspot.com


18:53, Thursday, 23 February UTC

October 26, 2011

Live Blue

KDE comemora seus 15 anos no Latinoware 2011

Latinoware 2011

No último dia 14 de Outubro o KDE completou 15 anos de muito trabalho, inovação e diversão é claro ! O KDE Brasil aproveitou a 8a. Edição da Conferência Latino-Americana de Software Livre (Latinoware 2011) para realizar uma grande festa ! Este ano, mais do que nunca, tivemos um stand super bacana: banner dos 15 anos do KDE, TV para demonstrar as feature mais legais do KDE e passar vídeos bacanas, diversos “apetrechos” do KDE: camisas, pins, adesivos, cartões postais, etc. O IV Fórum KDE Brasil – Edição Latino-Americana trouxe para o Latinoware uma série de palestras e mini-cursos sobre as tecnologias Qt e KDE.

Banner comemorativo dos 15 anos do KDE

Nosso stand

KDE swags

Nosso amigo Juan do KDE-Argentina

Na quarta-feira, dia 19, tivemos o mini-curso “Desenvolvendo Aplicações Mobile com Qt 4.8”, ministrado por Sandro Andrade e Luis Paulo Torres. No mini-curso foram apresentados os principais recursos do Qt Mobility 1.2 que promovem o desenvolvimento cross-platform de aplicações para o Symbian, Maemo, Meego e também Android e iOS. Laboratórios práticos de acesso aos diversos sensores (acelerômetro, orientação, etc), dados de contatos e integração com GPS foram realizados. A participação do público foi excelente: 20 participantes (sala lotada) e mais alguns de pé.

Mini-Curso “Desenvolvendo Aplicações Mobile com Qt 4.8”

Também na quarta-feira Filipe Saraiva apresentou a palestra “KDE-Edu: a visão KDE dos softwares aducacionais”, onde os aplicativos educationais e tendências futuras do KDE na educação foram apresentados.

Palestra “KDE-Edu: a visão KDE dos softwares aducacionais” com Filipe Saraiva

Ainda no primeiro dia o Open Source Rock Festival aqueceu os ânimos dos participantes.

Open Source Rock Festival

Participantes ilustres

O Latinoware 2011 trouxe uma interessante tecnologia (E-Take) para o favorecimento da redução do consumo de papel no evento. Cada participante recebeu, no momento do credenciamento, um pequeno dispositivo utilizado para solicitar material em meio digital previamente disponibilizado pelos stands. O participante aproximava o dispositivo de um receptor presente em cada stand e automaticamente o material era enviado para o seu e-mail.

Na sexta-feira, dia 21, ocorreu o Forum KDE propriamente dito com a palestra de abertura “15 anos de KDE: o que construimos ? para onde iremos ?”, apresentada por Aracele Torres. Na apresentação, revisitamos toda a trajetória do KDE ao longo deste período, destacando as grandes conquistas e os projetos mais desafiadores.

Palestra “15 anos do KDE: o que construimos ? para onde iremos ?”

Logo em seguida a palestra “KDE Frameworks 5: o que você ganha com isso ?” ministrada por Sandro Andrade, apresentou as facilidades atualmente disponibilizadas pelo KDE Platform 4 e as modificações previstas na próxima liberação major das tecnologias KDE. APIs para multimídia (via Phonon), I/O síncrono e assíncrono, local ou remoto (KIO), controle de GUIs via XML (KXMLGUI), obtenção e upload de artefatos na web (Get Hot New Stuff), utilização de plugins e KParts foram demonstrados através de códigos exemplo. Aspectos sobre modularização e definição explícitas de dependências na futura versão da plataforma (KDE Frameworks 5) foram também ilustrados. Uma das metas é favorecer ainda mais a execução de aplicações KDE no mais amplo espectro de dispositivos.

Palestra “KDE Frameworks 5: o que você ganha com isso ?”

Dando continuidade ao IV Fórum KDE Brasil nosso amigo Juan Muguerza, do KDE Argentina, apresentou a palestra “Owncloud: cria a sua própria nuve com KDE”, onde a soluções opensource completa do KDE para computação na nuvem foi apresentada e discutida.

Palestra “Owncloud: cria a sua própria nuve com KDE”

Encerrando nossa participação no VIII Latinoware, a palestra “Plasma Active: o KDE chega ao seu tablet” ministrada por Sandro Andrade apresentou a recém-lançada versão do workspace Plasma totalmente dedicado aos tablets e outros dispositivos móveis. As principais facilidades para criação de activities e ligação de URLs e aplicações às activities presentes foram demonstradas. Versões mobile das aplicações KDE Kontact e Calligra trazem uma maior facilidade de utilização nos tablets e ratificam o Plasma como tecnologia bastante promissora e certamente presente em uma ampla faixa de dispositivos em um futuro próximo.

KDE Plasma Active em ação

Como não poderia faltar uma comemoração compatível com todas as conquistas do KDE não poderia deixar de estar presente ��

Antes

Depois ��

E até o próximo Latinoware

Update: ainda temos algum material do KDE disponível para venda (camisas, pins, cartões postais, adesivos, etc). Fotos abaixo, interessados devem contactar sandroandrade AT kde DOT org


14:17, Wednesday, 26 October UTC

October 21, 2011

Live Blue

Qt Project está no ar !!!

Por: Lars Knoll

O Qt Project está no ar !

Estamos felizes em anunciar que o Qt Project foi oficialmente lançado. A partir de hoje, o desenvolvimento do Qt será governado como um projeto verdadeiramente open source.

A partir de hoje está disponível o qt-project.org – um site que centralizará todas as informações sobre o desenvolvimento do Qt, fornecendo a mesma infra-estrutura e processos para qualquer um que queira contribuir com o Qt.

Agora que estamos aqui, o que vem depois?

Se você está interessado em participar e se tornar parte da comunidade do Qt Project um bom lugar para começar é o site qt-project.org.
Este site fornece uma boa visão geral sobre como começar e como se tornar parte da comunidade e contribuir para o Qt.

Se você já tiver trabalhado com Qt, você provavelmente terá uma conta no Jira, nossa ferramenta de rastreamento de bugs. Esta conta é necessária para obter acesso ao local central onde todo o desenvolvimento acontece: codereview.qt-project.org.

Nosso servidor Gerrit codereview.qt-project.org vai funcionar como o local central para onde os patches são enviados e então revisados ​​e
testados. Todos que têm uma conta Jira pode enviar patches para codereview.

Patches podem ser revisados por qualquer um, e, finalmente, aceitas ou rejeitadas pelos Mantenedores. Você também vai notar que já temos
alguns não-Nokians como Aprovadores e Mantenedores. Gostaria de especialmente mencionar que Thiago, mantenedor de QtCore (biblioteca utilizada em todo o Qt), não está trabalhando para a Nokia. Isto é uma evidência mais tangível do que o Open Governance significa. Espero poder ver ainda mais não-Nokians se tornando Mantenedores no futuro.

Para obter detalhes sobre como contribuir, acesse http://www.qt-project.org. Por enquanto temos apenas algumas listas de discussão disponíveis em lists.qt-project.org, mas provavelmente isso mudará para acomodar listas mais especializadas à medida que avançamos. A lista mais importante é a lista de discussão geral de desenvolvimento development@qt-project.org. Note que a lista de discussão de desenvolvimento também é membro da lista de discussão de anúncios, assim você irá automaticamente receber as notificações de novas versões.

Continuamos a usar o Jira para rastreamento de bugs e de requisitos. A instalação atual no bugreports.qt.nokia.com será movido nas próximas semanas também para o Qt Project.

A Verdadeira Abertura

O Qt Project é um projeto verdadeiramente aberto. Estamos convidando a todos para participar e ajudar a fazer do Qt um produto melhor.

Todo o desenvolvimento acontecerá em um local central, com acesso para todos ao mesmo tempo. Não há mais um fluxo de código separado para os Nokias e para os “outros”. O que você vê é exatamente o que vemos. Discussões, decisões e roadmap tudo acontecerá na comunidade, pela comunidade e para a comunidade. Qualquer pessoa pode ser um colaborador, e até mesmo um Mantenedor se mostrar mérito para isso.

Converse conosco sobre o Open Governance no Qt Developer Days

Sessões sobre o Open Governance do Qt Project acontecerão no Qt Developer Days e eu também vou estar falando sobre isso durante a minha palestra. Se você está vindo para o evento você terá a oportunidade de aprender mais e se envolver na discussão. Se você está considerando vir ao Qt Dev Days esta discussão é uma das muitas boas razões para nos encontrarmos por lá !

Conclusões e agradecimentos

Estamos extremamente felizes em ver que este movimento finalmente agora aconteceu. Gostaria de aproveitar a oportunidade para agradecer a todas as pessoas que ajudaram a tornar isso possível. Muitas pessoas contribuíram, mas alguns devem ser especificamente mencionados: Thiago Macieira por dirigir os trabalhos iniciais sobre o Open Governance, Marius Storm-Olsen por assumir grande parte do trabalho, Cristy Hamley, por lidar com todas as questões legais e Olivia Puntanen pela gestão do projeto. Obrigado a todos.

Estamos ansiosos para começar um novo capítulo no desenvolvimento do Qt e animados para trabalhar com todos vocês no sentido de tornar Qt um produto ainda melhor.


19:58, Friday, 21 October UTC

October 14, 2011

Camila Ayres (camilasan)

15 anos de KDE

Olá pessoas!

Eu sei que ando sumida, por motivos pessoais, mas o KDE tá sempre lá, na minha máquina.
Foi através dessa comunidade que eu conheci grandes amigos, daqui e do mundo inteiro…e o amor da minha vida.

Foi onde eu aprendi a abraçar quem eu nunca tinha visto antes, foi onde eu aprendi a falar em inglês, foi onde eu aprendi a programar e foi onde eu descobri muita gente elegante, bonita e sincera.

Parabéns KDE! E obrigada por tudo!

15 anos de KDE

 

 

 

 


13:42, Friday, 14 October UTC


Older blog entries